Como começar a estudar para concursos

Essa imagem tem um atributo alt vazio; o nome do arquivo é alvo.jpg

Você decidiu mudar de vida e estudar para concursos públicos, aproveitando as oportunidades que estão surgindo para o segundo semestre de 2019. Muito bem. Mas e agora, por onde começar? Vou tentar destrinchar o caminho para você por aqui:

Escolha um concurso para focar

O primeiro passo é decidir para qual concurso você vai estudar e focar nele. E aí, você me pergunta: mas são tantas as oportunidades, eu não posso estudar para vários concursos ao mesmo tempo? Não serei aprovado mais rapidamente se fizer isso? E a resposta é um sonoro não, com algumas exceções.

Estudar para concursos públicos é um projeto a longo prazo, que exigirá dedicação e disciplina, e mais se assemelha a uma maratona do que a uma corrida pelos 100m rasos. Dependendo do concurso público, será exigido um conhecimento aprofundado em várias matérias, além de conhecimentos gerais, portanto, não presuma que você conseguirá atingir o nível de conhecimento necessário abarcando várias matérias de vários concursos (muitas sem relação entre si).

Além disso, quanto mais matérias você incluir no seu ciclo de estudos, mais tempo você precisará para atingir o nível necessário de conhecimento para passar em um concurso específico. Por isso foque seus estudos em um concurso específico.
Uma exceção a essa recomendação é quando surge um concurso com matérias muito similares às quais você já está estudando, com a adição de uma ou duas um pouco diferentes. Nesse caso, você pode adequar seus estudos e adicionar essas matérias extras, para prestar esse novo concurso. Se der tudo certo, você pode ser aprovado antes do que esperava, senão é só retornar às matérias que você já estava estudando normalmente.

Por exemplo, se você está estudando para o concurso de Analista do TRF e surge o concurso de Analista do TRE, você pode adicionar as matérias do TRE que não constavam do seu estudo, já que a maior parte da matéria dos dois concursos é a mesma. Mas não pare de estudar para o concurso do TRF porque surgiu um do BACEN, nesse caso, você aproveitará muito pouco do seu estudo anterior para o concurso do BACEN e também será mais difícil retornar ao estudo para o TRF depois desse desvio.

Como escolher qual concurso prestar

Existem duas maneiras principais pelas quais você pode escolher qual concurso prestar. Por identificação com a carreira ou com as matérias exigidas. Eu recomendo que você escolha um concurso porque gostaria de trabalhar naquele cargo, porque se sentiria realizado no trabalho. Muitas vezes isso não é possível, mas tente achar um concurso que irá trazer algum tipo de satisfação para você.

O meu conselho é que você reserve um tempo para visitar o órgão onde você pretende prestar o concurso. Abra o jogo e pergunte para as pessoas que trabalham na função que você deseja o que elas acham da carreira, da lotação, do horário de trabalho. Fique tranquilo, que a maioria das pessoas simpatiza com colegas prestando o concurso que elas já prestaram e fornecerão algumas informações de bom grado. Faça isso em alguns locais diferentes para obter uma média e depois tomar uma decisão mais bem informada sobre qual concurso é o que mais tem a ver com você.

Pesquise o concurso escolhido

Depois de realizar todos os passos anteriores você já tem o concurso ideal em mente. Agora é a hora de saber tudo sobre ele. Pesquise concursos anteriores no próprio site do órgão, verifique quando foi o último concurso, leia o edital, verifique as provas anteriores e qual foi a banca, e inclusive o tempo que levou entre a publicação do edital e a convocação dos primeiros aprovados. Pesquise em sites especializados a previsão para o próximo concurso. Se você conseguir achar vídeos destrinchando o último edital e como a banca cobra as questões, ótimo, assista tudo o que puder.

Seu objetivo nesse estágio é saber tudo sobre o concurso, informações que são tão ou mais essenciais do que a matéria em si. Somente sabendo o peso das matérias, que tipo de questões enfrentará na prova (múltipla escolha, redação, dissertativas, etc) e como a banca costuma cobrar esse conteúdo é que você poderá fazer um plano de estudos bem sucedido.

Além disso, é bom ter em mente quão próximo está o concurso desejado, também para adequar o seu estudo ao melhor formato.

Elabore o seu plano de estudos

Existem várias formas diferentes de organizar seu plano de estudos. Pode-se fazer um quadro horário de estudos ou um ciclo de estudos. O primeiro passo é fazer um quadro horário geral das suas atividades para verificar quanto tempo mais ou menos por semana você tem para estudar e verificar se é possível inserir tempo de estudo em horários não tão óbvios, como depois do almoço ou no deslocamento para o trabalho. Nesses horários o estudo deve focar em algo mais leve, como leitura da lei seca, em concursos jurídicos, ou resolução de exercícios, ou leitura para a prova de atualidades, por exemplo.

Nos outros horários de estudo mais focado, você pode optar por fazer um quadro horário de estudos ou um ciclo de estudo. No quadro horário de estudos, você deve verificar todas as matérias que caem no concurso (se o edital ainda não saiu, utilize como base o edital anterior), o respectivo peso na prova, e sua facilidade/dificuldade em cada uma para decidir a carga horária de cada matéria. Matérias que você tem mais dificuldade e/ou que tem um peso maior, deverão ter maior carga horária. O ideal é colocar as matérias mais difíceis no horário em que a concentração é maior, e as mais fáceis, quando a concentração já não está tão boa. Depois de ter decidido qual a carga horária de cada matéria, é só alocar cada matéria em um determinado horário do dia ou da semana.

No ciclo de estudos, no entanto, você deve decidir a carga horária de cada matéria, mas não o dia em que irá estudá-la. Faça um ciclo mesmo, por exemplo, começando com 2h de estudo de português, 1h de estudo de raciocínio lógico, 2h de estudo de direito civil, 2h de direito penal, 1h30 de processo penal, etc. Ao término do ciclo, você recomeçará do começo, com 2h de português de novo, e assim por diante.

A vantagem do ciclo de estudos é que, se em um determinado dia não der para estudar todas as horas programadas de estudo, tudo bem, porque é só anotar quantas horas de estudo foram feitas e quantas você ainda está devendo de determinada matéria e retomar no dia seguinte de onde você parou. Por exemplo, digamos que você estudou 1h30 de português no dia 1, no dia 2 é só estudar mais 30 min de português, e depois prosseguir com 1h de raciocínio lógico, etc.

Assim, se por acaso em determinado dia surge um imprevisto e fica impossível estudar, não é preciso esperar mais uma semana para voltar a estudar aquela matéria, é só retomar do ponto em que parou no ciclo de estudos, o que é muito importante quando se trata de manter os assuntos frescos na cabeça e fazer revisões regulares das matérias estudadas.

Espero que essas dicas tenham ajudado. Bons estudos, pessoal 😉

 

Posted in Concursos públicos and tagged , , .

Formada em Direito pela USP, cursando Psicologia e pós em Neurociência da Aprendizagem, aprovada em concursos e vestibulares diversos, apaixonada por educação, métodos de produtividade e meditação, criou o blog Projeto Estudos para compartilhar seus aprendizados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *